quarta-feira, 4 de julho de 2012

Deus: Primeiro Motor Imóvel


Toda estrutura teórica da filosofia aristotélica desemboca no divino, numa teologia. A descrição das relações entre as coisas leva ao conhecimento da existência de um ser superior e necessário, ou seja, Deus. Porque, se as coisas são contingentes – pois não têm em si mesmas a razão de sua existência -, é preciso concluir que são produzidas por causas exteriores a elas. Ou seja, todo ser contingente foi produzido por outro ser, que também é contingente, e assim por diante. Para não ir ao infinito na sequência de causas, é preciso admitir uma primeira causa, por sua vez incausada, um ser necessário (e não contingente).
Esse Primeiro Motor Imóvel (por não ser movido por nenhum outro) é também um puro ato (sem nenhuma potência). Segundo Aristóteles, Deus é Ato Puro, Ser Necessário, Causa Primeira de todo existente. No entanto, como Deus pode mover, sendo imóvel? Porque Deus não é primeiro motor como causa eficiente, mas sim como causa final: Deus move por atração, ele tudo atrai, como “perfeição” que é.

4 comentários:

  1. adorei otimos ensinamentos

    ResponderExcluir
  2. Simples e preciso. Gostei.

    ResponderExcluir
  3. Muito maravilhoso sua ajuda e explicações, da entendimento do que se procura saber obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Texto pequeno mas bem preciso, adorei.

    ResponderExcluir